02/08/2019

Protagonista da Enfermagem Sergipana

Enfermeiro RT - Gênisson Campos da Silva.

‘Facilitar o exercício da atividade fiscalizatória em relação aos profissionais de Enfermagem que nela executam suas atividades’, e ‘promover a qualidade e desenvolvimento de uma assistência de enfermagem em seus aspectos técnico, ético e segura para a sociedade e profissionais’, é uma das atribuições do nosso Protagonista da Enfermagem Sergipana do mês de julho.

De acordo com o levantamento feito pela equipe de fiscalização do Coren-SE, o enfermeiro Gênisson Campos da Silva é um dos Responsáveis Técnicos (RT) que merece o reconhecimento por ter sanado todas as irregularidades da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Porto da Folha, município com mais de 28 mil habitantes, localizado no alto sertão de Sergipe.

“Quando eu assumi como RT, busquei de imediato fazer um diagnóstico situacional da UPA e uma ação conjunta entre a gestão do município, o Coren-SE e o Ministério Público para que pudéssemos sanar as irregularidades e realizar uma assistência sistematizada, segura aos pacientes”, disse Gênisson da Silva.

A responsabilidade técnica dos serviços de enfermagem é uma atribuição específica e inerente ao profissional enfermeiro que deve estar habilitado na forma da legislação vigente e que responde tecnicamente pela assistência e qualidade dos serviços prestados sob sua responsabilidade. Além disso, é uma garantia de que a assistência e o cuidado de enfermagem estão sendo executados sob supervisão de um profissional habilitado.

O RT que sanou as irregularidades da UPA de Porto da Folha

Mesmo sendo apaixonado pela área da saúde desde a juventude e após trabalhar 20 anos como motorista e condutor socorrista do SAMU na cidade onde nasceu e reside até hoje – Porto da Folha, Gênisson da Silva só pôde cursar a graduação de enfermagem em 2010, quando surgiu a oportunidade e facilidade de acesso para estudar na cidade de Pão de Açúcar – AL. Feridólogo pela Enfmed de Arapiraca, atualmente ele está concluindo Estomaterapia pela Faculdade Unyleya de Brasília.

Em 2015, ele assumiu a função de enfermeiro assistencial da UPA de Porto da Folha. Por ser eficiente, prestativo e bastante organizado, recebeu o convite da gestão municipal em 2017 para tornar-se o enfermeiro Responsável Técnico (RT) do estabelecimento hospitalar. Ele não pensou duas vezes e aceitou o desafio.

No período de 1 (um) ano e 8 (oito) meses, Gênisson conseguiu sanar todas as irregularidades e atualmente conta com uma equipe de 8 (oito) enfermeiros e 27 técnicos e auxiliares de enfermagem. Para ele, essa conquista está atrelada ao novo modelo de assistência oferecido aos porto folhenses e demais moradores das cidades vizinhas. “É uma alegria imensa ver os pacientes sendo assistidos de forma coerente, sequencial, respeitando a Resolução Cofen nº 358/2009 que preconiza o atendimento de forma sistematizada”, disse o enfermeiro RT.

 

O que precisa para ser um RT e quais as suas atribuições

Conforme a Resolução Cofen nº 509/2016, o enfermeiro RT é o responsável pelo planejamento, organização, direção, coordenação, execução e avaliação dos Serviços de Enfermagem do estabelecimento de saúde onde estes são executados.

Entre suas atribuições estão:

  • Manter informações cadastrais e financeiras dos profissionais de enfermagem atualizadas;
  • Realizar o dimensionamento e informar, via ofício, à instituição e ao Coren;
  • Informar, via ofício, à instituição e ao Coren situações de infração à legislação de Enfermagem;
  • Intermediar, junto ao Coren, a implantação e funcionamento de Comissão de Ética;
  • Instituir e programar o funcionamento da Comissão de Ética de Enfermagem;
  • Colaborar com as atividades de fiscalização do Coren, bem como, atender todas as solicitações ou convocações que lhes forem demandadas pela Autarquia;
  • Organizar o Serviço de Enfermagem com instrumentos administrativos (Pops, Regimentos, Manual de Normas e Rotinas);
  • Colaborar com atividades da CIPA e CCIH, Educação Continuada e demais comissões instituídas no estabelecimento de saúde;
  • Zelar pelo cumprimento das atividades privativas do Enfermeiro;
  • Implementar a Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE);
  • Garantir prestação de assistência a pacientes graves por Enfermeiro e Técnico de Enfermagem;
  • Garantir registro das ações de Enfermagem;
  • Garantir supervisão de estágio curricular obrigatório e não obrigatório por professor e Enfermeiro da instituição;
  • Participar de processo de seleção de profissionais – Inscrição no Coren;
  • Promover a qualidade e desenvolvimento de uma assistência de Enfermagem segura para a sociedade e profissionais de Enfermagem, em seus aspectos técnicos e éticos;
  • Garantir que o registro das ações de Enfermagem seja realizado conforme normas vigentes;



  • bannerConvenio207x117
  • bannerTransparencia 207x 117
  • e-dimensionamento-207x117