09/07/2020

Hospital de Propriá recebe equipe de fiscalização do Coren-SE

Foram observadas diversas questões, a exemplo de subdimensionamento, fluxo de atendimento, EPIs e outras

A equipe de fiscalização do Conselho Regional de Enfermagem de Sergipe (Coren-SE) passou pelo hospital do município Propriá, o São Vicente de Paula, na última sexta-feira, 03/07. A visita, realizada pela enfermeira fiscal do Conselho, Daniela Miranda, objetivava verificar a atual situação da assistência ofertada pela instituição de saúde.

Um dos pontos mais críticos observados pelo Coren-SE, foi o subdimensionamento, diante do quantitativo reduzido de profissionais, uma vez que muitos estão adoecendo com o novo coronavírus (Covid-19) e não há reposição de colaboradores. O resultado é uma escala sobrecarregada para muitos profissionais que atuam na unidade. A instituição também não formalizou a indicação do Responsável Técnico (RT) de enfermagem.

Vale ressaltar que, recentemente, o Coren-SE obteve mais uma vitória judicial por meio da Ação Civil Pública, ajuizada pela Procuradoria Geral da Autarquia Federal, ao conseguir que o Hospital Regional São Vicente de Paula, contratasse enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem no prazo de 90 dias.

A situação do subdimensionamento apresenta maior gravidade quando é levado em consideração o fato do hospital apresentar problemas de superlocação e regulação. A instituição de saúde está recebendo pacientes de todo o Estado, a exemplo dos advindos de Boquim, São Cristóvão e Glória, municípios que não possuem referência para a pandemia.

Durante a visita, também foi observada a dispensação dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), que está sendo realizada de acordo com norma técnica adequada, entretanto, há carência de distribuição em diversos setores da unidade. No decorrer da averiguação, profissionais questionaram, nas alas Amarela e Vermelha, que são do pronto-socorro, sobre a necessidade de roupa privativa, que não estavam sendo entregues. A questão foi levantada, pois pacientes positivados com o novo coronavírus estão sendo atendidos nestes setores.

Já na ala Azul, porta de entrada do hospital, também há dispensação dos EPIs, porém, da mesma forma, é constatada a presença de pacientes positivados. Além disso, neste setor ocorre o cruzamento no atendimento de pacientes contaminados com pacientes negativados. O resultado se repete por quase toda a instituição, uma vez que a maioria dos assistidos estão com a Covid-19.

Também há falhas no fluxo de atendimento, visto que o acolhimento se faz na entrada do hospital e não próximo à entrada destinada aos casos Covid. Nesta área tem dois consultórios, um para pacientes Covid e outro para os não contaminados, entretanto, para ambos os locais, é o mesmo enfermeiro quem faz o atendimento.

Não suficiente, o paciente que apresenta sintomas mais graves do coronavírus, adentra e percorre o São Vicente de Paula até o local onde permanecerá. Com a ausência de fluxo específico, há o aumento de probabilidade de contaminação de todo o hospital.

No dia da visita, os containers, destinados para o atendimento dos casos Covid, estavam fechados por falta de profissionais, principalmente médicos. Os enfermeiros que atuariam no local foram remanejados para o atendimento. Já quando os containers são abertos, são os profissionais de enfermagem da área do Covid que dão o suporte.

Diante do quadro observado pela equipe do Conselho Regional, será encaminhado à procuradoria jurídica para adotar as providências que o caso requer e o relatório também será enviado para as demais autoridades competentes, afim de resolver todas as inadequações o mais breve possível. O Coren-SE relembra que os canais Ouvidoria (disponibilizado no site do Conselho) e o e-mail fiscalização@coren-se.gov.br permanecem disponíveis para que os profissionais que atuam no São Vicente de Paula possam manter contato e relatar sobre as mudanças realizadas ou inadequações existentes.

Fonte: Ascom Coren-SE




  • bannerConvenio207x117
  • bannerTransparencia 207x 117
  • e-dimensionamento-207x117