13/08/2014

CUT conversa com o Coren/SE sobre demissão de empregado público

O Conselho Regional de Enfermagem de Sergipe – Coren/SE, na

O Conselho Regional de Enfermagem de Sergipe – Coren/SE, na presença dos conselheiros presidente Gabryella Garibalde, vice-presidente José Flávio Pereira e tesoureira Denise Correia e, ainda do diretor administrativo do órgão Phillip Pereira e da procuradora Alini Figueiredo recebeu na manhã de quarta-feira, dia 13, os dirigentes sindicais da Central Única dos Trabalhadores – CUT, Jairo de Jesus e Rubens Marques, bem como o presidente do Sindicose – Sindicato dos Servidores dos Conselhos e Ordens de Fiscalização Profissional nas Entidades Coligadas e Afins do Estado de Sergipe, Jefferson da Silva Santos para esclarecer o processo que vem sendo divulgado sobre a demissão do ex-empregado público, que passou por processo administrativo e teve a conclusão considerada falta grave, que culminou em seu desligamento da instituição onde exercia a função de fiscal.

Durante a reunião, a CUT informou que recebeu cópias do processo e que cronologicamente não conseguia entender alguns fatos. Porém, diante da presidência do Sindiscose, o Coren se dispôs a enviar todas as vias do processo, desde que tenha a autorização do ex-empregado, citado em questão, já que se faz necessária essa autorização por ser um processo de cunho sigiloso interno administrativo.

Para compreender que todo o procedimento deu-se de forma legal, seguindo os preceitos do que determina a legislação vigente para tal ação, os representantes da CUT devem ler todas as páginas e de acordo com um dos dirigentes sindicais, Jairo de Jesus, “eles não estão com a totalidade dos autos, o que não dá para entender o processo”.

O Conselho disponibilizará, até mesmo digitalizado os documentos, de maneira que eles possam fazer o comparativo com a cópia original, a fim de entender que tudo foi feito dentro do prazo e de maneira legal e, que o ex-empregado teve todos os seus direitos respeitados. “Em alguns meios de comunicação o ex-funcionário está informando que não teve seu direito de defesa, o que não foi verdade, já que todo o procedimento investigativo foi realizado em quatro meses”, afirmou a presidente do Coren/SE, Gabryella Garibalde e, sendo acompanhado em todas as oitivas, pelo próprio advogado e pelo presidente do Sindiscose, Jefferson Santos.

Outra informação que está sendo veiculada erroneamente é a relação do ex-empregado com a sua participação como dirigente de sindicato. Enquanto funcionário do Conselho o mesmo exercia a função de fiscal e sua atuação na área sindical não está ligada a essa atividade, mas sim à outra profissão, que não era a de empregado público do Coren/SE.

O início

Após denuncismo de práticas ilícitas na autarquia iniciado em 2012, com veiculação em meios de comunicação sem autoria, ou seja anonimamente, de maneira que denegriu a imagem da atual gestão, a diretoria do Coren/SE comprovou através do Ministério Público Federal que não há essa prática dentro do órgão, uma vez que foi aberto processo investigativo pelo próprio MPF e arquivado o processo por serem infundadas as informações.

Todavia, através da conclusão dando negativa dessa prática chegou-se ao nome do referido ex-funcionário, como fonte desses denuncismos infundados. Até mesmo na Polícia Federal, onde os fatos estão sendo investigados foi citado o nome dele. Neste sentido, o Conselho recebeu como denuncia e achou por direito abrir o processo administrativo o que concluiu com seu desligamento, por ser considerada grave sua conduta.

A CUT deverá receber essa cópia, após a autorização do ex-empregado no processo, e em seguida fará seu entendimento e pronunciamento diante dos fatos comprovados que iniciaram essa situação. 




  • bannerConvenio207x117
  • bannerTransparencia 207x 117
  • e-dimensionamento-207x117